Publicidade

"Bormevet, preso hoje pela PF, é a peça central para esclarecer o evento de Juiz de Fora", diz Joaquim de Carvalho

Apontado como pivô da Abin paralela, Marcelo Bormevet se tornou o homem forte do governo Bolsonaro depois de supostamente falhar na segurança do então candidato

11/07/2024 às 12h10 Atualizada em 12/07/2024 às 04h36
Por: Redação
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

247 - Um dos alvos da Operação Última Milha, deflagrada nesta quinta-feira (11) pela Polícia Federal (PF) com o objetivo de desarticular a ‘Abin paralela’, organização criminosa voltada ao monitoramento ilegal de autoridades e à produção de notícias falsas, é o delegado da PF Marcelo Araújo Bormevet. Integrante da corporação desde 2005, Bormevet fez parte da equipe de segurança de Jair Bolsonaro (PL) no evento de Juiz de Fora durante a campanha eleitoral de 2018, segundo o jornalista do Brasil 247 e da TV 247 Joaquim de Carvalho. “Bormevet foi um dos personagens da reportagem que fizemos de Juiz de Fora. Ele é central para entender a Abin paralela e também para entender o que aconteceu lá em Juiz de Fora”, explica Carvalho.

Leia também

https://folhadapb.com.br/noticia/69/por-basilio-carneiro-a-lfacadar-vai-voltar-ao-noticiario

O jornalista destaca que Bormevet não era integrante fixo da equipe de segurança de Bolsonaro durante a campanha de 2018. O delegado foi destacado especificamente para atuar no evento de Juiz de Fora. “Ele era lotado na Delegacia da Polícia Federal em Juiz de Fora e ali ele foi mobilizado por um deputado federal na época, o Marcelo Álvaro Antônio - que depois seria ministro do Turismo e foi quem organizou o evento de Juiz de Fora -, e ali o Bolsonaro tinha, como candidato a presidente, direito a seguranças da Polícia Federal”.

Segundo Carvalho, Bormevet, Álvaro Antônio e Carlos Bolsonaro são personagens interligados neste caso: “[Marcelo Álvaro Antônio] foi quem organizou o evento de Juiz de Fora e depois ele foi protegido pelo Carlos Bolsonaro. O Carlos Bolsonaro é chave tanto na promoção deste policial quanto na proteção do Marcelo Álvaro Antônio. Quando ele era ministro do Turismo houve aquela denúncia dos laranjas e ele não caiu porque o Carlos Bolsonaro o protegia”.

O jornalista ainda contou que Bormevet, enquanto responsável pela segurança de Bolsonaro em Juiz de Fora, fez uma série de exigências para a realização do evento que são estranhas ao procedimento padrão da Polícia Federal no caso da proteção de candidatos a presidente. “Eu estive na frente do apartamento dele [Bormevet] em Juiz de Fora, falei com a esposa dele e eu queria falar com ele justamente porque eu tinha descoberto que ele organizou toda a chamada ‘segurança paralela’. Porque tinha a segurança que a Polícia Federal faz dos candidatos e havia lá em Juiz de Fora uma ‘segurança paralela’, e quem coordenou tudo isso foi o Bormevet”. 

“Eu soube disso porque o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Juiz de Fora me contou. Ele teve que fazer algumas coisas por conta da exigência desta pessoa. Era um esquema completamente diferente do que a Polícia Federal faz para proteger os candidatos. Inclusive, ele teve que contratar um drone que tinha que sobrevoar todo o tempo lá da caminhada, que foi onde o Adélio [Bispo] encontrou o Bolsonaro. O presidente da Associação Comercial falou: o Marcelo [Bormevet] fez uma reunião na minha casa e fez uma série de exigências; uma delas era que deveríamos ter um drone para gravar o tempo inteiro. Essas imagens - a íntegra - de drone desapareceram. Só ficou a imagem que foi usada na campanha do Bolsonaro. No mesmo dia já teve vídeo na internet que mostrava aquela multidão, o Bolsonaro carregado… Eu queria a íntegra porque poderia ter o momento do ataque, mas desapareceram essas imagens”, complementou.

É suspeito o movimento de Bormevet após o evento de Juiz de Fora. Mesmo tendo supostamente falhado na segurança do então candidato Bolsonaro, ele foi colocado no coração do poder e promovido a chefe do Centro de Inteligência Nacional (CIN) da Abin. Se a facada ocorreu como narrado pelo bolsonarismo, não faria sentido premiar o responsável pela segurança daquele dia.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.